Pular para o conteúdo principal

A vida não é justa: encontrando alegria por aceitar as coisas como elas são






Texto de Sam Gusman – 'The Catholic Gentleman'

Tradução – Felipe Marques



UMA DAS MAIS PERNICIOSAS mentiras do mundo moderno é a de que a vida seria fácil e confortável. Há até um senso no qual os modernos acreditam que estão intitulados a esse conforto e facilidade – que isso seria alguma espécie de direito humano fundamental.


Muitos de nós temos absorvido essa coisa sutil, mesmo que não o percebamos. Quando um problema vem até nós, quando a vida é inconveniente ou difícil, ficamos quase com raiva dessa "injustiça". É como se isso fosse algum tipo de "crime cósmico" que viola a vida fácil que acreditamos que deveríamos ter. Reclamamos e culpamos Deus por ter perturbado os nossos sonhos.


O simples fato é que a vida não é sempre justa. As coisas não são sempre fáceis, nem sequer pretendiam ser fáceis. Isso não significa que alguém em particular, muito menos Deus, seja culpado. As vezes as coisas somente são como são. E aceitar esse fato é o primeiro passo para a liberdade real.


Entre uma geração mais velha e mais resistente, havia um ditado que podia ser ouvido frequentemente: "A vida é difícil e então você morre". Ao primeiro relance, esse ditado soa brutal e pessimista, como se a vida fosse uma longa e miserável caminhada de trabalho duro coroada com a escuridão do vazio. Visto com uma outra luz, porém, esse dito bate em uma verdade mais profunda: somente quando você aceitar a vida como ela é, poderá realmente vivê-la com alegria.


As pessoas que viveram antes do advento da modernidade mecanizada eram realistas. Longe de antecipar uma vida com o conforto do ar condicionado, já esperavam que a vida fosse dura, até dolorosa. Ganhar a vida iria inquestionavelmente envolver trabalho, suor e sacrifício. Haveria tristeza ao longo do caminho. Longe de os deprimir, essa expectativa os libertava para que aproveitassem o lazer e os pequenos prazeres, que desfrutavam mais completamente. Quando você espera que as coisas sejam difíceis, você aproveita mais a sua facilidade.


O alvo da moderna e secular sociedade tem sido, em vários aspectos, uma longa jornada para erradicar o sofrimento. Para um mundo sem Deus e sem sentido objetivo, o sofrimento não pode ser algo além do maior mal existente. Aqueles de nós que cresceram nesse mundo secularizado têm sido criados para acreditar que temos direito a uma vida livre de sofrimentos e com prazeres maximizados. E se nós ultimamente não podemos escapar do sofrimento, devido à doença ou outras causas, seremos capazes de chegar ao ponto de tirar a própria vida para evitá-lo.


Ainda, paradoxalmente, é justamente a expectativa de que a vida seria livre de dor que nos causa o maior sofrimento. A dor na vida é verdadeiramente inevitável. A dor irá nos visitar de uma forma (e em algum grau) ou de outra. Nas palavras da antiga "Salve Regina", nós vivemos em um "vale de lágrimas". As provações e os desafios são inerentes em um mundo decaído e desordenado. Quanto mais nós resistirmos internamente a esse fato imutável, mais ansiedade, raiva e amargura o sofrimento que encontrarmos nos causará.


Na vida, a alegria que experimentamos está diretamente relacionada ao nosso estado de espírito. "Feliz é aquele que não espera nada," disse G. K. Chesterton, "porque ele desfrutará tudo". Se nós esperarmos facilidades, conforto e prazer sem fim, as dificuldades serão um choque rude e repugnante. Mas se nós esperamos que a vida inclua dor e sofrimento, não nos surpreenderemos quando vierem. Preferiremos suportá-los com paciência, implorando a misericórdia de Deus, para perseverarmos. Vamos também receber os dons da alegria e do prazer que experimentarmos com toda a maravilhosa humildade que vem com uma inesperada e imerecida surpresa, dizendo com os corações cheios: Benedicamos Domino! Bendigamos ao Senhor!

____
Fonte:
http://catholicgentleman.net/2017/03/lifes-not-fair-finding-joy-by-accepting-things-as-they-are/

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …