Pular para o conteúdo principal

Por que foi necessário a morte de Jesus por nós?



O sacrifício de Cristo foi necessário para o perdão dos nossos pecados. A grande tentação que Ele sofreu do demônio, foi a de rejeitar a vontade do Pai. Mas Cristo resistiu até o fim, e bebeu o cálice da Paixão até a última gota para nos salvar.





Quando Pedro o quis livrar da cruz, ele lhe disse: “afasta-te de mim Satanás, pois os teus pensamentos não são os de Deus”. E no Horto das Oliveiras ele suplicou ao Pai que afastasse dele aquele Cálice de dor, mas pediu que fosse feita a Sua vontade.

Diante do sacrifício de Cristo, não devemos olhar o Pai como um carrasco a exigir a morte do Filho amado, não. De um modo misterioso para nós, o Sacrifício de Jesus satisfez a Justiça de Deus Pai, porque por seu sacrifício o plano original para a humanidade foi restaurado; a Justiça de Deus foi satisfeita; Alguém pagou o preço das nossas faltas, e agora podemos nos apresentar diante de Deus, reconciliados. Deus é Pai, mas não é paternalista, como um pai que não faz conta dos erros dos seus filhos, burlando a justiça, não. A Justiça perfeita de Deus exige que o mal seja reparado, da mesma forma que nós fazemos com os que cometem crimes.

Para entender o sacrifício de Jesus para a remissão dos pecados da humanidade, é preciso entender que uma ofensa tem a sua gravidade de acordo com a honra da pessoa ofendida; assim, um tapa dado no rosto de um irmão é menos grave do que o mesmo tapa dado no pai ou na mãe, porque a honra desses é maior. Agora, imagine se esse tapa for dado no rosto de Deus; a sua gravidade torna-se Infinita, porque a honra e a majestade de Deus são infinitas. Dessa forma, quando o homem pecou contra Deus, ele não pôde mais resgatar a sua culpa diante da Justiça de Deus, porque a sua culpa se tornou infinita. O Catecismo da Igreja diz que: “nenhum homem, ainda que o mais santo, tinha condições de tomar sobre si os pecados de todos os homens e de oferecer-se em sacrifício por todos” (§ 616).

Como, então, nenhum homem poderia oferecer a Deus um sacrifício (Infinito) que fosse suficiente para pagar pelos pecados dos homens, então, Jesus, no seu amor, assumiu esta missão. O Verbo de Deus bendito apresentou-se para assumir a nossa natureza e nos salvar, pois, Ele sendo Deus poderia, como homem, oferecer a Deus um sacrifício de valor Infinito, e restaurar a ofensa infinita que nossos pecados provocaram contra Deus:

“Eis porque, ao entrar no mundo, Cristo diz: Não quiseste nem sacrifício nem oblação, mas me formaste um corpo. Holocaustos e sacrifícios pelo pecado não te agradam. Então, eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro) venho, ó Deus, para fazer a tua vontade (Sl 39,7s)” (Hb 10, 7). O nosso Catecismo explica, então:

“A existência em Cristo da Pessoa Divina do Filho, que supera e, ao mesmo tempo, abraça todas as pessoas humanas, e que o constitui Cabeça de toda a humanidade, torna possível o seu sacrifício redentor por todos” (§ 617).

É exatamente esse Sacrifício de Cristo, que não envelhece e não caduca, que é oferecido na Santa Missa, repito, não multiplicado ou repetido, mas atualizado; tornado presente; não é uma nova paixão do Senhor, é a mesma e única.

A Igreja explica que a morte violenta de Cristo não foi o resultado do acaso num conjunto infeliz de circunstâncias. Ela faz parte do mistério do projeto de Deus, como explicou São Pedro no dia de Pentecostes: “Ele foi entregue segundo o desígnio determinado e a presciência de Deus” (At 2,23). Mas isto não significa que “os que tinham entregues Jesus a morte tenham sido apenas executores passivos de um roteiro escrito de antemão por Deus” (Cat. §599). Cada um que cooperou para a morte de Cristo, agiu com toda liberdade e responsabilidade, e ninguém foi obrigado a participar disso.

O Catecismo explica que: “Para Deus, todos os momentos do tempo estão presentes em sua atualidade. Ele estabelece, portanto, seu projeto eterno de “predestinação” incluindo nele a resposta livre de cada homem à sua graça” (§600). Isto deixa claro que não existe “o destino” do qual nós seríamos escravos.

O Senhor Jesus se ofereceu em nosso lugar. Assim como aquele cordeiro substituiu Isaac no sacrifício de Abraão, da mesma forma Cristo, o Cordeiro de Deus, nos substituiu na cruz. O profeta Isaias soube exprimir isto muito bem:

“Em verdade, ele tomou sobre si nossas enfermidades, e carregou os nossos sofrimentos: e nós o reputávamos como um castigado, ferido por Deus e humilhado. Mas ele foi castigado por nossos crimes, e esmagados por nossas iniquidades; o castigo que nos salva estava sobre ele; fomos curados graças às suas chagas” (Is 53,4-5).


O sacrifício de Jesus Cristo foi único e suficiente. “Cristo ofereceu pelos pecados um único sacrifício (…). Por uma só oblação Ele realizou a perfeição definitiva daqueles que recebem a santificação” (Hb 10,12-14). Já não é mais necessário novos sacrifícios. Cristo morreu uma só vez, e ressuscitou ao terceiro dia, e hoje no céu, intercede por nós diante de Deus.

O Papa João Paulo II disse: “Ao celebrarmos o sacrifício do Cordeiro unimo-nos à liturgia celeste, associando-nos àquela multidão imensa que grita: “A salvação pertence ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro” (Ap 7,10). A Eucaristia é verdadeiramente um pedaço do Céu que se abre sobre a terra; é um raio de glória da Jerusalém celeste, que atravessa as nuvens da nossa história e vem iluminar o nosso caminho” (EE,19).

Não se trata da mera comemoração de um passado já extinto, mas sim de um “zikkarôn”, isto é, de um “memorial”. E Jesus Cristo ordenou aos Apóstolos, que fizessem isso em memória dele. O termo utilizado pelos evangelistas, e que traduzimos por “memória” é “anamnese”. Esta palavra não quer dizer uma simples memória (mnemone), mas um recordar, tornando presente o mesmo acontecimento. Então, a santa Missa, faz memória do sacrifício de Cristo, tornando-o presente. Na Santa Ceia Cristo fez uma antecipação do seu sacrifício, na santa Missa Ele o perpetua.

O Papa João Paulo II explica o sentido da santa Missa com precisão: “A Missa torna presente o sacrifício da cruz; não é mais um, nem o multiplica. O que se repete é a celebração memorial, a “exposição memorial” (memorialis demonstratio), de modo que o único e definitivo sacrifício redentor de Cristo se atualiza incessantemente no tempo. Portanto, a natureza sacrificial do mistério eucarístico não pode ser entendida como algo isolado, independente da cruz ou com uma referência apenas indireta ao sacrifício do Calvário” (EE, 12).

O Catecismo da Igreja resume tudo dizendo:

Na Missa “é Cristo mesmo, sumo sacerdote eterno da nova aliança, que agindo pelo ministério dos sacerdotes, oferece o sacrifício eucarístico. E é também o mesmo Cristo, realmente presente sob as espécies do pão e do vinho, que é a oferenda do Sacrifício Eucarístico” (§1410).

“A Missa é ao mesmo tempo e inseparavelmente o memorial sacrificial no qual se perpetua o sacrifício da Cruz, e o banquete sagrado da comunhão ao Corpo e ao Sangue do Senhor” (Cat. §1382).

Quem de nós não desejaria poder estar lá em Jerusalém, no Calvário, aos pés da cruz do Senhor que morria para nos salvar! Ora, em cada Missa temos esta oportunidade; se não vemos a cena com os olhos da carne, o vemos com os olhos da fé. Torna-se presente o mesmo e único Sacrifício do Senhor, de maneira incruenta, Ele não sofre mais, mas está ali em estado de eterna Vítima que se oferece por nós. O que foi a Cruz no Calvário, é o altar na Santa Missa.

O sacerdote atua “in persona Christi”, instituído pelo Sacramento da Ordem, que o faz participar do poder e da dignidade do único e eterno Sacerdote, Jesus Cristo.

“O sacrifício redentor de Cristo é único, realizado uma vez por todas. Não obstante, tornou-se presente no sacrifício eucarístico da Igreja. O mesmo acontece com o único sacerdócio de Cristo: tornou-se presente pelo sacerdócio ministerial, sem diminuir em nada a unicidade do sacerdócio de Cristo” (Cat. §1545).

Qualquer que seja o celebrante, se ele for legítimo sacerdote da Igreja, a santa Missa tem o mesmo valor. Não importa a cultura ou o grau de santidade do sacerdote, importa apenas a sua intenção e legitimidade.

Sobre isto dizia o grande doutor da Igreja, São João Crisóstomo:

“Quero acrescentar uma coisa verdadeiramente estupenda, mas não vos espanteis nem vos perturbeis. Que coisa é? A oblação é a mesma, seja quem for o oferente, chame-se ele Pedro ou Paulo; é a mesma que Jesus Cristo confiou aos discípulos e agora realizam os sacerdotes: esta última não é menor que a primeira, porque não são os homens que a tornam santa, mas Aquele que a santificou. Como as palavras pronunciadas por Deus são exatamente as mesmas que agora diz o sacerdote, assim a oblação é também a mesma” (In Epist. 2. ad Tim., hom. 2,4).

Jamais o mundo viu ou verá um acontecimento como este: o Filho de Deus humanado é crucificado e agoniza durante três horas numa cruz. Três longas horas de dores indizíveis, sofrimentos inenarráveis na pior forma de suplício que o império romano impunha a seus opositores, bandidos, malfeitores…

Foi o drama de um Deus crucificado por amor ao homem, criatura moldada à sua “imagem e semelhança” (Gen. 1,26). “Deus amou a tal ponto o mundo que deu o Seu Filho único para que todo o que Nele crer tenha a vida eterna” (Jo 3,16). “Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele quem nos amou e enviou-nos seu Filho como vítima de expiação por nossos pecados” (1Jo 4,10). “Deus demonstra seu amor para conosco pelo fato de Cristo ter morrido por nós quando éramos ainda pecadores” (Rm 5,8).

Um mistério insondável de amor e de dor que projeta luz sobre o quanto cada um de nós é importante para Deus. Cristo não mediu esforços para resgatar cada um de nós para Deus… foi até as últimas consequências. São João expressou isto como ninguém: “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 15,1).

No seio da Trindade o Verbo se ofereceu para realizar o sacrifício de nossa salvação. A Carta aos hebreus explica: “Eis por que, ao entrar no mundo, Cristo diz: Não quiseste sacrifício nem oblação, mas me formaste um corpo. Holocaustos e sacrifícios pelo pecado não te agradam. Então eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro), venho, ó Deus, para fazer a tua vontade (Sl 39,7ss)… Eis que venho para fazer a tua vontade. Foi em virtude desta vontade de Deus que temos sido santificados uma vez para sempre, pela oblação do corpo de Jesus Cristo.” (Hb 10,5-10).

A dívida dos pecados dos homens, sendo, de certo modo infinita, exigia um sofrimento redentor também infinito para reparar a ofensa contra a Majestade infinita de Deus. Então, o sofrimento de Deus feito homem, infinito, triunfou do pecado. O resgate de cada um de nós foi pago. Pelo sofrimento de Jesus, Homem e Deus, a humanidade honrou a Deus incomparavelmente mais do que o ofendera e poderá ainda ofender. O homem, resgatado agora pelo Filho do Homem, pode voltar para os braços de Deus. A justiça divina foi satisfeita.

O projeto salvador de Deus realizou-se “uma vez por todas” (Hb 9,26) pela morte redentora de seu Filho, Jesus Cristo. “Não era preciso que Cristo sofresse tudo isso e entrasse em sua glória?” (Lc 24,26), Jesus pergunta aos discípulos de Emaús.

A Igreja nunca esqueceu que “foram os pecadores como tais os autores de todos os sofrimentos de Cristo, pois são os nossos pecados que atingem o próprio Cristo. São culpados desta falta horrível os que continuam a reincidir em pecados. Diz a cara aos hebreus que os que mergulham nas desordens e no mal “de sua parte crucificam de novo o Filho de Deus e o expõem as injúrias” (Hb 6,6). São Francisco de Assis disse que: “Os demônios, então, não foram eles que o crucificaram; és tu que com eles o crucificaste e continuas a crucificá-lo, deleitando-te nos vícios e nos pecados”.

O Catecismo da Igreja ensina que “A morte violenta de Jesus não foi o resultado do acaso um conjunto infeliz de circunstâncias. Ela faz parte do mistério do projeto de Deus, como explica São Pedro aos judeus de Jerusalém já em seu primeiro discurso de Pentecostes: “Ele foi entregue segundo o desígnio determinado e a presciência de Deus” (At 2,23). Mas esta linguagem bíblica não significa que os que “entregaram Jesus” tenham sido apenas executores passivos de um roteiro escrito de antemão por Deus” (n.599).

Deus estabeleceu seu projeto eterno de salvação incluindo nele a resposta livre de cada homem à sua graça. Deus permitiu os atos violentos dos inimigos de Cristo a fim de realizar seu projeto de salvação.

“Cristo morreu por nossos pecados segundo as Escrituras” (1 Cor 15,3). A morte redentora de Jesus cumpre a profecia do Servo Sofredor: “Em verdade, ele tomou sobre si nossas enfermidades, e carregou os nossos sofrimentos… ele foi castigado por nossos crimes, e esmagado por nossas iniquidades; o castigo que nos salva pesou sobre ele; fomos curados graças às suas chagas… Foi maltratado e resignou-se; não abriu a boca, como um cordeiro que se conduz ao matadouro, e uma ovelha muda nas mãos do tosquiador. Ele não abriu a boca. Por um iníquo julgamento foi arrebatado. Quem pensou em defender sua causa, quando foi suprimido da terra dos vivos, morto pelo pecado de meu povo?” (Is 53,4-8).

São Pedro explicou bem: “Fostes resgatados da vida fútil que herdastes de vossos pais, pelo sangue precioso de Cristo, como de um cordeiro sem defeitos e sem mácula, conhecido antes da fundação do mundo, mas manifestado, no fim dos tempos, por causa de vós” (1Pd 1,18-20).

Os pecados dos homens, depois do pecado original, são punidos pela morte (Rm 5, 12; 1 Cor 15,56). “Aquele que não conhecera o pecado, Deus o fez pecado por causa de nós, a fim de que, por ele, nos tornemos justiça de Deus” (2Cor 5,21).

Tendo-o tornado solidário de nós, pecadores, “Deus não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós” (Rm 8,32), a fim de que fôssemos “reconciliados com Ele pela morte de seu Filho” (Rm 5,10).

Jesus tinha plena convicção desta missão que assumiu. “Pai, salva-me desta hora. Mas foi precisamente para esta hora que eu vim” (Jo 12,27). “Deixarei eu de beber o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18,11). Ele é o “Cordeiro de Deus, que tira os pecados do mundo” (Jo 1,29). “Como pela desobediência de um só homem todos se tornaram pecadores, assim, pela obediência de um só, todos se tornarão justos” (Rm 5,19).

Jesus é o novo Adão, que por sua obediência, humildade e imolação de si mesmo, cancelou o documento de dívida que o demônio tinha contra nós. “É Ele que nos perdoou todos os pecados, cancelando o documento escrito contra nós, cujas prescrições nos condenavam. Aboliu-o definitivamente, ao encravá-lo na cruz. Espolio os principados e potestades, e os expôs ao ridículo, triunfando deles pela cruz” (Cl 2,14-15). É do lenho da cruz que pendeu a salvação do mundo!

Retirado do livro: “O Segredo da Sagrada Eucaristia”. Prof. Felipe Aquino. Ed. Cléofas.

Fonte: http://cleofas.com.br/por-que-foi-necessario-o-sacrificio-de-cristo/

Postagens mais visitadas deste blog

SANGUE INUNDARÁ O BRASIL" - PROFECIA DE NOSSA SENHORA SOBRE O BRASIL EM 1936

"O
Os 3 grandes castigos! Fez-se inexplicável silêncio sobre as aparições de Nossa Senhora no agreste pernambucano em 1936 e caíram no esquecimento. Mas a Ssma. Virgem anunciara que viriam tempos calamitosos e três grandes castigos para o Brasil. No primeiro artigo, reproduzido abaixo, seu autor comenta essas previsões sobre o prisma da crise da Igreja e a ameaça comunista ao Brasil. O segundo texto, do grande lutador Pe. Júlio Maria, apresenta uma pormenorizada narração dessas aparições de 1936 em que Nossa Senhora anunciou que o sangue inundará o Brasil.
A VIRGEM SANTÍSSIMA AFIRMA QUE O BRASIL PASSARÁ POR UMA SANGRENTA REVOLUÇÃO PROMOVIDA PELO COMUNISMO! FRANCISCO ALMEIDA ARAÚJO *
Todos quantos me conhecem através de meus escritos, palestras, cursos e programas de Rádio e Televisão promovidos em todas as regiões do nosso querido Brasil, sabem da minha relutância em divulgar revelações particulares ainda não reconhecidas pelo Magistério da Igreja. No entanto, de todas as “revelações pa…

Reflexão sobre o Evangelho segundo S. Lucas, cap. 14, vs. 25 a 33

Leitura do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum



No capítulo 14 do Evangelho segundo S. Lucas, vemos Jesus que quer preparar a todos os seus seguidores para o seu Sacrifício na Cruz, bem como para as consequências que implicam da decisão de segui-lo. O Senhor, com imensa decisão, resolve partir para Jerusalém, mesmo sabendo que caminha para a sua própria morte.
No versículo 25, Jesus vê que não está sozinho: grandes multidões o acompanhavam. O texto original em grego enfatiza que aquelas pessoas “caminhavam junto” com Ele. Aquelas pessoas vão com o Senhor, e Ele quer alertá-las, torná-las conscientes de para onde estão indo e em que implicará a decisão de acompanhá-lo. Parando no meio da jornada, Ele se volta para essas pessoas e lhes diz algo como: “Vocês querem ir comigo, mas vocês sabem qual é a realidade de ser meu discípulo?”.
Aquilo que devemos dar a Deus Pai, conforme descreve o capítulo 6 do Livro do Deuteronômio, ficamos sabendo que devemos dar também a Deus Filho: “Amarás o…

Moringa, uma planta com imensos benefícios

Se ainda não ouviu falar da moringa, vai, neste artigo ficar a conhecer uma planta com bastantes benefícios para a saúde e o bem-estar do corpo. Moringa (Moringa oleifera) é uma planta de origem tropical ainda pouca conhecida na Europa, embora o seu uso como suplemento dietético comece pouco a pouco a estender-se. Um número cada vez maior de estudos científicos associam a ingestão de moringa em pó com inúmeros benefícios para a saúde, como a melhoria da pressão arterial, da glicose, a redução do colesterol, entre os outros. A árvore da Moringa Oleifera atinge uma altura de 7-12 metros é, originária das zonas próximo do Himalaia (Índia e Paquistão), e muito popular em países tropicais e subtropicais da África, Ásia (Filipinas, Camboja), América do Sul e Central e no Havaí, onde também é cultivada. Moringa – um potencial suplemento dietético A árvore de Moringa vem sendo usada ao longo dos tempos como uma planta medicinal. Sendo por isso conhecida como árvore milagrosa. Todas as partes …